sexta-feira, 13 de novembro de 2009

Vinhos e Martini - parte 1

Acordou. E antes que pudesse perceber quem era ela própria, percebeu quem era a pessoa que dormia ao seu lado. Percebeu que estavam nus e que ela estava com uma dor de cabeça filha-da-puta. Percebeu que, ao mesmo tempo que seu peito inflava de paixão por aquele homem, se enchia de orgulho por ele ter sido seu naquela noite. Também sentia medo, pelo que poderia acontecer no futuro.

Ainda estava pensando nas consequências que poderiam causar quando aquele par de olhos azuis se abriu para ela e sorriu. Levantou, ajeitando os cabelos negros e lhe desejou bom dia, dando-lhe um beijo que a deixava com muitas borboletas na barriga. Sempre que ele a beijava, ela se sentia assim, desde que tinham 11 anos.

Então ela se lembrou do motivo deles nao poderem ficar juntos.


- Como você consegue ficar tão calmo?

Ele se jogou de volta na cama, tampou o rosto com o travesseiro.

- O que exatamente a gente bebeu? Parece que estão martelando na minha cabeça.

- Pelas garrafas no chão parece que foram três garrafas de vinho - Ela levantou até a mesinha que ficava encostada na parede - e a de Martini também está vazia.

-humpf...

Ela tinha plena consciência do que estava fazendo quando começaram a tirar a roupa na noite anterior, não poderia dar a desculpa da bebida. Pelo menos não para si mesma, para os outros, se fosse necessário.

- O que vamos fazer agora, Lu?
- Nao sei, Alex.

Então ela deitou ao seu lado e fechou os olhos. Tentou aproveitar cada segundo, cada minuto em que ele estaria ao seu lado. Mas a aproximação da hora em que ela seria arrancada de seus braços se aproximava e a incomodava bastante. Por isso, agora, fazendo sem o efeito do alcóol, ela sentia com muito mais intensidade. Ele demonstrava tudo que sentia por ela em cada beijo, cada toque, cada sussurro em seu ouvido. E ela captava todo o sentimento dele perfeitamente bem. E correspondia, criando um ciclo. Um vínculo que ela nunca teve com outro homem. Era só ele. Só ele a fazia se sentir assim.

Isso a enlouquecia. De paixão e de ódio. Tudo que ela evitava demonstrar para o mundo ele arrancava dela, deixava à flor da pele. Desde sempre foi assim, dando tempo para que ela pudesse criar e fortalecer uma máscara que cobria suas verdadeiras intenções. Uma máscara que só ele era capaz de tirar.

Quando voltava para sua casa naquela tarde, Luciana não conseguia segurar suas lágrimas de jeito nenhum.

4 comentários:

Thuthu disse...

Verídica a história??? 8D

The Writer disse...

Uhul! Gostei do texto, tem toda uma mensagem por trás, você tá escrevendo cada vez melhor. Agora tem que continuar pra história ficar mais compreensível, né =P

Anna Marie Raven disse...

gostei mtu do texto :D espero uma continuação (logo) hein

Vivi Hitachiin disse...

Nossa! Adorei!
História linda! Mais do que isso, envolvente!
Já são 3 votos para a continuação!
Seja rápida! ;D